LAGOINHA, FORTALEZA PART II

This is the second part of this “Trip to paradise” that we did in the North East of Brazil. Long story short, we met this tour guide in a beach called “Cumbuco” (we’ll talk about this beautiful spot later). His name is Jerônimo (look for him anytime you decide to visit Fortaleza, he can give you good tips), and he was insisting about the idea of “You can’t leave Fortaleza without visiting Lagoinha”. He was in love with that place, it was his recommendation all the time, and it doesn’t matter what you were talking about, he always ended up talking about that Lagoinha. He was pressing us so much to go there that it came a moment that it was like “come on Jerônimo, change the tape, tell me something I don’t know”. He sounded like a broken record, I swear. But he convinced us, so we got into the car and drove 124 km to Laginha. And, well, let me tell you something here. Jerônimo, you were right. This place is amazing, and we had a blast there, so we want to share it with you. Don’t miss this!
==================================================

Esta é a segunda parte desta “viagem ao paraíso” que fizemos no Nordeste do Brasil. Para encurtar a história, encontramos um guia em uma praia chamada “Cumbuco” (falaremos sobre este belo local mais tarde). Seu nome é Jerônimo (procure-o  quando você decidir visitar Fortaleza, ele pode lhe dar boas dicas), e ele insistia com a idéia de “Você não pode deixar Fortaleza sem visitar Lagoinha”. Ele estava apaixonado por aquele lugar, era a sua recomendação o tempo todo, e não importa o que você falasse, sempre acabavamos falando sobre essa Lagoinha. Ele estava nos pressionando tanto para ir para lá que chegou um momento que era como ” Eai Jerônimo, muda a fita, diga-me algo que eu não sei”. parecia um disco quebrado, juro. Mas ele nos convenceu, por isso, entramos no carro e dirigimos 124 km para Laginha. E, bem, deixe-me dizer-lhe uma coisa aqui. Jerônimo, você estava certo. Este lugar é incrível, por isso queremos compartilhar com você.

==================================================
Esta es la segunda parte de este “Viaje al paraíso” que hicimos en el Nor-este de Brasil. Para resumir, conocimos a un guía turístico en una playa llamada “Cumbuco” (de la que hablaremos más tarde). Su nombre es Jerônimo (pregunta por él cuando decidas visitar Fortaleza, él puede darte buenos consejos), y estaba insistiendo en que “No te puedes ir de Fortaleza sin visitar Lagoinha” Estaba enamorado de ese lugar, y era su recomendación todo el rato, no importa de lo que estuvieses hablando con él, él siempre acababa hablando de esa Lagoinha. Estaba presionándonos tanto para que fuésemos que llegó un momento que era como “Jerônimo, por favor, ya cambia el disco, cuéntame algo que no sepa”. Sonaba como un disco rayado, te lo juro. Pero bueno, nos convenció, así que nos metimos en el coche y conducimos 124 km hasta Lagoinha. Y, bueno, déjame decirte algo. Jerônimo, tenías razón. El lugar es increíble, y nos lo pasamos genial aquí, así que queremos compartirlo con vosotros, no te lo pierdas!

IMG_4612.JPG

The first thing you need to know, as we already said in the previous post about Canoa Quebrada, is that in the beach there’s gonna be different promoters that are going to come to you to offer you their products (tours), and it doesn’t matter if you want to hear it or not, they are going to tell you. So don’t get mad, upset, nervous, impatient… Look at this view, who could anyway?
==================================================

A primeira coisa que você precisa saber, como já dissemos no post anterior sobre Canoa Quebrada, é que na praia vai haver diferentes promotores que vão vir oferecer os seus produtos (passeios), e não importa se você quer ouvir ou não, eles vão te dizer. Então, não fique louco, chateado, nervoso, impaciente … Olhe essa vista. Você não vai ficar nenhuma dessas coisas.

==================================================
Lo primero que tienes que saber, es que como ya dijimos en el post previo sobre Canoa Quebrada,  en la playa van a haber diferentes promotores que van a venir a ti a ofrecerte sus productos (tours), y no importa si quieres oírlo o no, te lo van a contar. Así que no te enfades, no te pongas nervioso o impaciente. Quién podría hacerlo con estas vistas?

IMG_4586.JPG

Since we went in low season, sometimes we were the only tourists at some spots, so we were the victims of all the promoters, and that happened here in Lagoinha. The best thing you can do is understand that these people make a live from that and a smile costs nothing, even if you are not interested. They gave us three options: a tour in a buggy with the tour guide (around 40 US$), a tour guide who can come with you in your own car while he explains you everything (around 20 US$) and the a 4×4 quadricycle (around 40US$ for an hour two people). We went for the buggy, we thought it was the best option because if you go with your own car, even being cheaper, it can be a little tricky, since there are some dunes and watercourses on the way. I always had a dream about going in a 4×4 quadricycle, but it’s way more expensive: they carge you based on time and you don’t have a guide, so maybe for second visits would be a nice option. Also, has space only for 2 people, and we were in 4, so the buggy was the winner, no doubts.
==================================================

Como fomos em baixa temporada, as vezes éramos os únicos turistas em alguns pontos, por isso, éramos vítimas de todos os promotores, e foi o que aconteceu aqui em Lagoinha. A melhor coisa que você pode fazer é entender que essas pessoas sobrevivem com esse trabalho e um sorriso não custa nada, mesmo se você não está interessado.
Eles nos deram três opções: um passeio em um buggy com o guia (cerca de 40U$), um guia turístico que pode ir com você em seu próprio carro, enquanto ele explica tudo (cerca de 20 U$) e o quadriciclo um 4×4 (cerca de 40 U$ por uma hora duas pessoas). Fomos com o buggy, nós achamos que era a melhor opção, porque se você ir com seu próprio carro, mesmo sendo mais barato, pode ser um pouco complicado, pois existem algumas areas de água e dunas no caminho. Eu sempre tive o sonho de ir em um quadriciclo 4×4, mas é muito mais caro: eles cobram com base no tempo e você não tem um guia, então talvez para uma segunda visitas seria uma boa opção. Além disso, possui um espaço apenas para 2 pessoas, e nós estávamos em 4, assim o buggy foi o vencedor, sem dúvidas.

==================================================
Como fuimos en temporada baja, a veces éramos los únicos turistas en algunos lugares, así que éramos víctimas de todos los promotores, y eso pasó aquí en Lagoinha. Lo mejor que puede hacer es entender que ellos viven de eso y una sonrisa no cuesta nada, incluso si no estás interesado. Ellos nos dieron tres opciones: un recorrido en un buggy con el guía turístico (alrededor de 40 US $), un guía turístico que puede venir contigo en tu propio coche mientras él te explica todo (alrededor de 20 US $) y el cuadriciclo4x4 (alrededor de US $ 40 por una hora dos personas). Nos quedamos con el buggy, pensamos que era la mejor opción, porque si vas con tu propio coche, aun siendo más barato, puede ser un poco difícil, ya que hay algunas corrientes de agua y dunas en el camino. Siempre he soñado con ir en un cuatriciclo 4×4, pero es mucho más caro: te cobran en función del tiempo y no tienes un guía, así que tal vez para una segunda visita sería una buena opción. Además, cuenta con espacio sólo para 2 personas, y estábamos en 4, por lo que el buggy fue el ganador, sin duda.

The first part of the tour will be a ride around the beach. And this is the moment when it’s important to make this kind of tours: we went for more than 20km driving just on the shore. Something that barely we could have done by walking. You could think “but what’s the point? is it not the same again and again?”. That’s the kind of thought that will lead you to never contemplate dozens of km of sand and water: no people, no restaurants, no cars, no roads. One of the few virgin places still left on the Earth. On every breath that you take, there’s only salted water and peace, lots of peace, you could only hear the beautiful sound of the waves breaking on the shore (well, and the buggy’s engine, which by the way, sounds like an old Vespa trying to climb a hill). The sand was white, and the water was so clean, with different shades of blue. This is something that you will never experience in a civilized area, some countries don’t even have a single place like this anywhere. Only this experience would have been worth, but there was much more.
==================================================

A primeira parte da turnê é um passeio ao redor da praia. E este é o momento em que é importante para fazer este tipo de passeios: eram mais de 20km dirigindo apenas pela praia.  Algo que mal poderíamos ter feito a pé. Você poderia pensar “, mas qual é o ponto? Não é tudo a mesma coisa?”. Esse é o tipo de pensamento que vai levar você a nunca poder ver dezenas de km de areia e água: sem pessoas, sem restaurantes, sem carros, sem estradas. Um dos poucos lugares virgens que ainda restam na Terra. Em cada respiração que você toma, há apenas água salgada e paz, muita paz, você só pode ouvir o belo som das ondas quebrando na praia (bem, e o motor do buggy, que por sinal, soa como uma velha Vespa tentando subir uma colina). A areia era branca, e a água limpa, com diferentes tons de azul. Isso é algo que você nunca vai experimentar em uma área civilizada, alguns países nem sequer tem um lugar como este . Só esta experiência teria valido a pena, mas havia muito mais.

==================================================
La primera parte de la visita será un paseo por la playa. Y este es el momento en que es importante para hacer este tipo de excursiones: fuimos por más de 20 kilómetros conduciendo justo en la orilla. Algo que difícilmente podríamos haber hecho caminando. Podrías pensar “, pero ¿cuál es el punto? ¿No es lo mismo una y otra vez?”. Ese es el tipo de pensamiento que te llevará a no contemplar decenas de kilómetros de arena y agua: ni personas, ni restaurantes, ni coches, ni carreteras. Uno de los pocos lugares vírgenes que aún quedan en la Tierra. En cada respiro que tomas, solo agua salada y la paz, mucha paz, sólo se podía escuchar el sonido hermoso de las olas rompiendo en la costa (bueno, y el motor del buggy, que por cierto, suena como una vieja Vespa tratando de subir una colina). La arena era blanca y el agua estaba tan limpia, con diferentes tonos de azul. Esto es algo que nunca vas a poder experimentar en áreas civilizadas, algunos países no tienen ni un solo lugar como este en ninguna parte del país. Sólo esta experiencia habría valido la pena, pero había mucho más.

Then we went to a place called “Lagoa do jegue”, which means “Donkey’s lake”. As its own name says, it’s a lake where some donkeys found their place to live. Around November, the tide rises, and all this area ended up covered by water. Amazing how the nature works!
==================================================

Depois fomos para um lugar chamado “Lagoa do Jegue”. Como o próprio nome diz, é um lago onde alguns burros encontraram o seu lugar para viver. Em torno de novembro, a maré sobe, e toda esta área acaba sendo coberta pela água. Incrível como a natureza funciona!

==================================================
Después fuimos a un lugar llamado “Lagoa do jegue”, que ginifica “Lago del asno”. Como su propio nombre indica, es un lago donde varios asnos encuentran su lugar para vivir. Sobre noviembre, la marea sube y toda esta área acaba cubierta de agua. Es increíble cómo funciona la naturaleza.

After the “Lagoa dos jegues”, we went to meet the biggest lake in the area. Lagoinha means “little lake”, and nearby the main beach there are a lot of little lakes. This one os the biggest one: sweet water, a waterfall, hammocks networks into the water, good food… It’s a wild spot where you could definitely spend a whole day. When we went there, it looked like it was full of local people, and you know what we always say: follow the local people, they know the places to be and the food to eat!
==================================================

Após o “Lagoa dos jegues”, fomos ao encontro do maior lago na área e nas proximidades da praia principal, há uma série de pequenos lagos. Esta é a maior: água doce, cachoeira, redes espreguiçadeiras dentro da água, boa comida … É um local selvagem onde você poderia definitivamente passar um dia inteiro. Quando fomos lá, parecia que estava cheio de locais, e você sabe o que sempre digo: siga as pessoas locais, eles sabem os lugares para estar e a comida para comer!

==================================================
Después de la “Lagoa dos jegues”, fuimos a conocer el lago más grande de la zona. Lagoinha significa “lago pequeño”, y cerca de la playa principal hay una gran cantidad de pequeños lagos. Éste os el mayor de ellos: el agua es dulce, tiene una cascada, hamacas red en el agua, buena comida … Es un lugar salvaje donde definitivamente se podría pasar un día entero. Cuando fuimos allí, parecía que estaba lleno de gente local, y ya sabes lo que decimos siempre: sigue a la gente local, ellos saben los lugares en los que hay que estar y la comida que hay que comer!

The way to the waterfall and to the lake is not easy, but it’s very fun. When we were going down to see the waterfall we saw a chameleon! We don’t have pictures of this because it was quick, and you never have pictures of the best momentos, but we saw it. So on this day, we saw donkeys, a chameleon and herons. This basically means, that there’s no need for all those places where animals are prisoners, such as zoos, theme parks or whatever. Get into the nature and you will see everything!
==================================================

O caminho para a cachoeira e para o lago não é fácil, mas é muito divertido. Quando estávamos indo para ver a cachoeira vimos um camaleão! Não temos fotos porque ele foi rápido, e você nunca tem fotos dos melhores momentos, mas nós o vimos. Neste dia, vimos burros, camaleão e garças. Isto basicamente significa que não há nenhuma necessidade para todos os locais onde os animais ficam presos, como jardins zoológicos, parques temáticos ou o que for. Entre na natureza e você vai ver tudo!

==================================================
El camino a la cascada y al lago no es fácil, pero es muy divertido. Cuando íbamos hacia abajo para ver la cascada vimos un camaleón! No tenemos fotos de esto porque fue rápido, y nunca tienes fotos de los mejores momentos, pero lo vimos. Así que en este día, vimos burros, un camaleón y garzas. Esto significa, básicamente, que no hay necesidad de todos aquellos lugares donde los animales son prisioneros, tales como zoológicos, parques temáticos o lo que sea. Adéntrate en la naturaleza y lo verás todo!

The lake is a perfect place if you are looking for peace and silence.
==================================================

O lago é o lugar perfeito se você esta procurando paz e silencio.

==================================================
El lago es un lugar perfecto si buscas paz y silencio.

The best part of this place: the hammocks networks on the water. This is life.
==================================================

A melhor parte deste lugar: as redes na agua. Isso é vida.

==================================================
Lo mejor de este lugar: las hamacas de red en el agua. Esto es vida.

On our way back, we went through the dunes, to see everything from a different perspective. We stopped at the Christ of the beach. Don’t imagine anything like the Christ in Rio, because Jesus on its cross didn’t even reach my hip.
==================================================

No caminho de volta, fomos pelas dunas, para ver tudo de uma perspectiva diferente. Paramos no Cristo da praia. Não imagine algo como o Cristo do Rio, porque Jesus em sua cruz nem sequer chega ao meu quadril.

==================================================
Regresando, volvimos por las dunas, para ver todo desde una perspectiva diferente. Nos paramos en el Cristo de la playa. No te imagines nada como el Cristo de Rio, porque Jesús con su cruz no me llegaba ni a la cadera.

The legend says that you must come to the Christ and leave a rock at the bottom of the cross symbolizing your biggest sin, so he will forgive you. I always do any tradition, so obviously I had to leave my rock for my sin, because I’m a sinner. The tough decision was choosing only one sin.
==================================================

A lenda diz que você tem que ir até Cristo e deixar uma pedra na parte inferior da cruz que simboliza seu maior pecado, então ele vai te perdoar. Eu sempre faço qualquer tradição, então obviamente eu tive que deixar a minha pedra para o meu pecado, porque eu sou uma pecadora. A decisão difícil foi escolher apenas um pecado.

==================================================
La leyenda dice que debes venir al Cristo y dejar una roca en la parte inferior de la cruz simbolizando tu pecado más grande, y él te perdonará. Siempre realizo cualquier tradición, así que obviamente tuve que dejar mi roca por mi pecado, porque soy una pecadora. La decisión difícil fue escoger un solo pecado.

IMG_4596.JPG

The most beautiful thing of this spot, is its views. From up there, you see a so beautiful landscape that it’s the perfect postcard of the whole state, I would even say that this view could even represent the word paradise.
==================================================

A coisa mais bonita deste lugar, é a vista. De lá, você vê uma bela paisagem que é o cartão perfeito de todo o estado, eu diria até mesmo que essa visão pode representar a palavra paraíso.

==================================================
Lo más hermoso de este lugar, son sus vista. Desde allí, se ve un paisaje tan hermoso que es la postal perfecta de todo el estado, incluso diría que este paisaje podría incluso representar la palabra paraíso.

If something I can take with my after this visit, is that feeling of connection with the nature. It’s hard to remember that when you live in a city, always surrounded by constructions, concrete, buildings… But when you visit a place like this, you can only feel grateful with the nature for everything. I felt like Pocahontas.
==================================================

Se há algo que eu possa levar comigo após esta visita, é  o sentimento de conexão com a natureza. É difícil lembrar  quando você vive em uma cidade, sempre rodeado de construções, concreto, edifícios … Mas quando você visita um lugar como este, você só pode sentir-se grato com a natureza para tudo. Eu me senti como Pocahontas.

==================================================
Si algo me llevo después de esta visita, es ese sentimiento de conexión con la naturaleza. Es difícil de recordar cuando vives en una ciudad, siempre rodeado de construcciones, cemento, edificios… Pero cuando visitas un lugar como este, solo te puedes sentir agradecido con la naturaleza por todo. Me sentí como Pocahontas.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s